O diamante é uma das mais belas e preciosas criações da natureza. Valioso e desejado, é perfeito para criar joias incríveis para marcar momentos inesquecíveis de sua vida, como o pedido de casamento.

Que tal conhecer um pouquinho mais sobre esta pedra tão presente em nossos anéis de noivado?

1. O diamante é a pedra oficial do mês de abril

aliança-de-noivado-lien-ouro-amarelo-diamantes

Anel de Noivado Lien II

Existe uma antiga tradição que relaciona uma pedra específica a um mês de aniversário. Atualmente, o diamante é reconhecido como a pedra de aniversário, ou birthstone, dos nascidos em abril. Ele também é a gema que representa as bodas de 60 e 75 anos.

2. O diamante é o mineral mais duro do planeta

Devido à estrutura química e às condições em que é formado, o diamante é a substância natural mais dura conhecida pelo homem. A dureza é uma propriedade que mede a resistência que um material tem ao risco, ou seja, a retirada de partículas de sua superfície por um outro material. O padrão mais utilizado para medir a dureza é a Escala de Mohs, inventada pelo cientista Friedrich Mohs. O diamante está no topo desta lista com dureza de 10 Mohs.

tabela-de-dureza-de-mohs-diamante.

3. Mas não é indestrutível

Diamante é uma palavra de origem grega, que deriva do termo adamas, que significa indestrutível. Por essa razão, muitos acreditam que os diamantes são inquebráveis, o que é um engano comum. Embora não sejam frágeis e tenham pouca tendência a sofrer fraturas, os diamantes podem, sim, se quebrar. Portanto, não são indestrutíveis. Se a gema fosse inquebrável, não seria possível sequer lapidá-la.

O diamante possui uma propriedade conhecida como clivagem, que determina alguns pontos de fraqueza ao longo de sua estrutura. Por causa dessa propriedade, é possível lapidar diamantes brutos, transformando-os em belas joias.

4. O diamante não surge a partir do carvão

Existe uma crença popular de que os diamantes são originados do carvão. No entanto, isso não passa de um mito. Diamantes são compostos de carbono puro e se formaram em condições extremas de alta temperatura e pressão. Já o carvão é formado a partir da decomposição de restos de vegetais, árvores e outras formas de vida.

Saiba mais sobre como se formam os diamantes.

5. Os diamantes da sua joia têm mais de um bilhão de anos de idade

De acordo com alguns estudos, os primeiros diamantes se formaram há, aproximadamente, 2,5 bilhões de anos. Esta gema é considerada um dos minerais mais resistentes do planeta, já que o diamante só pode ser derretido quando exposto a uma temperatura de 5.500° C. Portanto, os diamantes só desapareceriam se a Terra, literalmente, entrasse dentro do Sol. Segundo astrônomos, esse fato deverá acontecer daqui a 7,5 bilhões de anos, quando a estrela estiver próxima da morte. Então, a famosa frase “diamantes são eternos” faz algum sentido!

6. O Cullinan é o maior diamante já encontrado

Em 1905, na África, um diamante bruto de 3.106,75 cts (cerca de 612g) foi encontrado por Frederick Wells, a nove metros de profundidade, em uma parede da mina. Ele é considerado o maior diamante bruto já encontrado. A pedra foi batizado de Cullinan, em homenagem ao dono da mina onde foi achado, Thomas Cullinan.

diamante-cullinan-bruto

Frederick Wells, segurando o Diamante Cullinan, 1905 – Foto:Wikimedia Commons

Em 1907, este exemplar foi dado como presente ao rei britânico Edward VII, em seu aniversário de 66 anos, pelo governo de Transvaal, local da mina de Cullinan.

partes-do-diamante-cullinan

As 9 partes do Cullinan, 1908 – Foto: Wikimedia Commons

O Cullinan foi dividido em três grandes partes pelo famoso lapidador Joseph Asscher. Esses três pedaços deram origem a nove gemas (Cullinan I ao Cullinan IX) e a noventa e seis pequenos brilhantes.

Saiba mais sobre a história do diamante Cullinan.

7. Diamantes podem brilhar no escuro

Alguns diamantes apresentam uma característica interessante: a fluorescência. Diamantes com fluorescência tem a capacidade de emitir luz visível quando expostos à radiação ultravioleta. Segundo um relatório do GIA, na última década, cerca de 25% a 35% dos diamantes analisados apresentaram algum grau de fluorescência e 95% dos diamantes que exibem fluorescência refletem tons de azul. Dificilmente, este aspecto é suficientemente forte para interferir na aparência do diamante.

diamantes-fluorescência

Alfinete em prata e ouro com rubis, diamantes, granadas e topázio. Na visão em UV LW, percebe-se a reação diferenciada dos diamantes, com maior predominância do azul, o vermelho no rubi e a ausência de fluorescência nas granadas e no topázio (ao centro) – Foto: Inventário da Arquidiocese de Évora

8. De todos os 4 C’s, o corte é a característica mais importante

Até meados do século XX, não existia um critério de avaliação de diamantes. O GIA criou os 4 C’s como método para classificar as qualidades do diamante. Os diamantes são classificados em: Color – Cor, Carat – Peso, Clarity – Pureza e Cut – Corte.

Embora o senso comum costuma dar mais ênfase à cor e à pureza, o corte é a característica que mais interfere no visual do diamante. O corte não diz respeito apenas ao formato do diamante, mas também às proporções e simetria da pedra. É a qualidade do corte que vai determinar o quanto a pedra vai brilhar e se irá produzir o famoso estouro de luz. Um diamante com uma cor ruim e um corte perfeito pode brilhar mais do que outro de cor boa, mas com um corte de má qualidade.

corte-diamante-brilho

Os diamantes acima apresentam, da esquerda para a direita, corte excelente, bom e inferior e foram expostos ao mesmo tipo de luz – Foto: Al Gilbertson and Barak Green/GIA.

9. Menos de 20% dos diamantes extraídos são transformados em joias

Em média, 80% dos diamantes extraídos no mundo não são apropriados para a confecção de joias. Essas pedras, rejeitadas pelas joalherias, são encaminhadas para uso industrial, fabricação de instrumentos de polimento, perfuração e corte.

10. O Brasil já foi um grande fornecedor de diamantes

Por volta de 1400, a Índia era o único fornecedor de diamantes do mundo. Nesta época, a gema começou a ser trocada e vendida em pontos comerciais por toda a Europa. No entanto, em meados de 1700, quando as jazidas da Índia começaram a ficar escassas, o Brasil se tornou o principal fornecedor de diamantes do mundo, ocupando esta posição até meados do século XIX, quando uma enorme reserva foi descoberta na África do Sul. Atualmente, os diamantes são extraídos de diversas partes do planeta.

Procurei muito em várias joalherias um anel que estivesse à altura do que minha futura noiva merecia. Consegui tudo isso com a Poésie. Não à toa minha noiva ouve com certa frequência e com muito orgulho: 'este é o anel mais bonito de todos que já vi'.

Kadu

Ver coleção de anéis

Compartilhe com um amigo